Yu Yu Hakusho em live-action é outro acerto Netflix

A série Yu Yu Hakusho, recém-lançada na Netflix, é uma tentativa ousada de trazer um clássico do mangá e anime para o mundo das produções em live-action, compensar a história em poucos episódios e agradar tanto os fãs antigos quanto a audiência da plataforma. É seguro dizer que Yu Yu Hakusho acerta em cheio!

A visão de Akira Morii e Kazutaka Sakamoto sobre o mangá sobrenatural shonen de Yoshihiro Togashi é exatamente isso: uma remixagem live-action que, embora condensada, consegue capturar o tom e a caracterização que tornam o original tão cativante.

A série nos cativa desde a primeira cena, quando a câmera flutua em torno do espírito desencarnado do adolescente Yusuke Urameshi (interpretado por Takumi Kitamura), que olha chocado e confuso para o próprio corpo sem vida. Yusuke se jogou na frente de um caminhão para salvar uma criança de ser atropelada, e sua jornada rumo ao absurdo está apenas começando: conduzido ao mundo espiritual, ele é informado por sua guia, Botan (interpretada por Kotone Furukawa), que sua morte não foi registrada pelas forças que controlam a vida após a morte. Assim, Yusuke é oferecido uma segunda chance de vida, desde que concorde em investigar uma infestação de demônios no mundo humano sob a supervisão do governante do mundo espiritual, Koenma (interpretado por Keita Machida) – uma premissa que a série abraça com entusiasmo.

As entidades demoníacas que possuem as pessoas ao redor de Yusuke são retratadas como verdadeiramente perigosas. A direção firme de Shô Tsukikawa apresenta cada ato de violência de forma arrepiante, com um peso palpável, mesmo quando claramente computadorizado. O conceito de “anime/mangá em live-action” é desafiador por natureza, mas à medida que nos acostumamos com os efeitos visuais exagerados, que buscam dar vida a imagens originadas em quadrinhos e animações, nos aproximamos de aceitar essa síntese. As lutas em Yu Yu Hakusho têm a coreografia lúdica e a expertise visual de um filme dirigido por Paul W.S. Anderson (Mortal Kombat e Resident Evil, especialmente). A combinação de efeitos práticos e digitais resulta em designs de personagens grotescos que se encaixariam confortavelmente em seu trabalho. A maneira como os corpos dos demônios se transformam é às vezes bizarra, mas nunca inacreditável.

Surpreendentemente, Tsukikawa também explora a humanidade de Yu Yu Hakusho. Não apenas somos autorizados a compartilhar o luto dos amigos e familiares de Yusuke – especialmente a comovente e engraçada Keiko (interpretada por Sei Shiraishi) – na estreia, mas também vemos certos personagens e atores se entregarem ao melodrama. Embora talvez não seja tão detalhada quanto o material original, Yu Yu Hakusho ainda consegue ser uma tiro certeiro da Netflix.

Yu Yu Hakusho (2023)

Yu Yu Hakusho (2023)
8 10 0 1
Nota: 8/10 Excelente
Nota: 8/10 Excelente
8/10
Total Score iExcelente
Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts